sábado, 30 de abril de 2016

REITOR – MONS. PEREIRA DOS REIS











MONS. PEREIRA DOS REIS COM GRUPO SEMINARISTAS 1942


“ QUEM É BOM JÁ NASCE FEITO! “





No passado ano, apresentei o meu livro: CORREIA DA CUNHA - MESTRE DE VIDA.

Escrever esse livro foi um acto de gratidão para com um mestre que muito se empenhou na minha formação cristã e humana.

A felicidade é fruto das nossas opções de vida, mas também dos grandes educadores que tivemos ao longo da nossa vida.

Porém, creio que o maior tributo que podemos prestar aos nossos mestres de vida é reflectirmos sobre os seus ensinamentos, continuando a seguir os conselhos e a praticar os exemplos de vida que nos deixaram.
Há lições que ficaram registadas. São estímulos para nós e para os transmitirmos as novas gerações.


Houve também na vida do Padre Correia da Cunha um grande Mestre de Vida, que o marcou profundamente. Não me é fácil falar dessa descomunal figura: MONS. PEREIRA DOS REIS – REITOR DO SEMINÁRIO DOS OLIVAIS.


D. JOÃO DE CASTRO, CARD. CEREJEIRA E MONS. PEREIRA DOS REIS


Não tive a sorte de o conhecer, mas recordo a emoção com que o Padre Correia da Cunha falava desse seu Reitor. As suas qualidades morais, intelectuais e espirituais faziam dele uma figura fora do comum.


O seu querido Reitor era possuidor de uma força de carácter que levava a que todos os seus discípulos lhe rendessem respeito, admiração, consideração e mesmo fidelidade. Um mestre como Pereira dos Reis, podem crer, não correm nas ruas; só nascem de tempos em tempos…

Se Monsenhor Pereira dos Reis fosse vivo teria completado 137 anos. É muito difícil falar sobre esse Reitor do Seminário dos Olivais. Nem sempre as palavras são suficientes para descrever a nobreza e a personalidade de um grande mestre.


O texto da autoria do discípulo Correia da Cunha, na altura muito jovem ainda, pode conter toda a força para nos revelar o pensamento e as responsabilidades desse magnânimo reitor. 



GRUPO SEMINARISTA DOS OLIVAIS COM MONS. PEREIRA DOS REIS E CORREIA DA CUNHA - ANO 1934

Para resumir, falar do Reitor Pereira dos Reis é acima de tudo transmitir o exemplo que ele era para todos os seminaristas. O grande Mestre de Vida do Padre Correia da Cunha era um homem de espírito humanizado, capaz de ter sensibilidade diante das coisas que o rodeavam.
Era assim que o Padre Correia da Cunha nos transferia a grandeza deste grande Mestre de Vida que sabia superar todas a angustias e sofrimentos. 


MONS. PEREIRA DOS REIS - REITOR















AO MEU REITOR

Pai Nosso, Ó Pai do Céu
Com todo o meu amor
Vos peço: Olhai p’lo meu
Querido Reitor

Ao tempo dizei vós, ó meu Senhor!
Que vá devagarinho
Para que nunca chegue o meu Reitor
A ser velhinho!

E ao nosso irmão Sol. Senhor dizei
Também que pare um pouco em tal corrida
Para que o meu Reitor – como antiga lei –
Me ajude a vencer esta batalha: - da vida.

Dizei às florinhas para exalar
Seu perfumado odor
Quando virem passar
O meu Reitor.

E ao irmão vento
Ordenai que não seja barulhento
Nem bulhe tanto
Por especial favor,
Deix’ ele descansar, à noite, o Santo
Do meu Reitor.

E à passarada desde a cotovia
Ao rouxinol poeta e trovador
Ordenai que executem uma sinfonia
Em louvor do meu Reitor.

Pai Nosso, Ó Pai do Céu
É vosso filho a rezar: sou eu!
Toda a paternidade em Vós se encerra
Enchei de vosso amor
Meu pai da terra,
O meu Reitor.

Que toda a criatura, ó criador
Tenha um sorriso franciscano de ternura
Pró meu Reitor.

Para m’aturar, Senhor
E perdoar alguma imprudência
Da minha juventude
Dai a virtude
Da paciência
Ao meu Reitor.

E Vós, filho de Deus
Gerado no esplendor
Da eternidade
Mandai a Vossa Luz dos altos Céus:
- Ó Verbo da Verdade!
 Ao meu Reitor.

Ó Cristo, ó meu Jesus
Que de uma cruz fizeste Trono Pontifício
Por vossa imensa dor
Aliviai a Cruz, o sacrifício
Do meu Reitor.

E que o Seminário
Transfigurado em monte de Tabor
Nunca seja Calvário
Do meu Reitor!

É grande a sua cruz?
Talvez que eu lha tenha feito ainda mais pesada…
Fazei de mim um novo Cirineu
Para que d’hoje em diante :  - Ó Salvador!
Não lhe pese nada
A cruz do meu Reitor.

Talvez que eu tenha semeado abrolhos
em seu caminho com alguma má acção
Picos de ervas daninhas …
Meu Deus que nunca mais seus olhos
Nem o seu coração
Chorem por culpas minhas.

Jesus, Hóstia Divina,
Fazei de mim, fazei de meus irmãos
Uma Hóstia imaculada, embora pequenina
Qu’em oblação de Amor
Possa à Trindade ser sacrificada
Pelas santas mãos
Do meu Reitor.

Espírito Divino
Que a vossa graça, orvalho em Luz e Amor
Inunde o coração tão delicado e fino
Do meu Reitor.


Enfim, Senhor,
Quando chegar a hora derradeira.
E a irmã morte se sentar à beira
Do seu leito de dor
Levai a santa alminha
Do meu Reitor
Muito direitinha ao Céu.


Autoria do Seminarista Correia da Cunha 

Seminaristas no SEMINÁRIO DOS OLIVAIS


















.

domingo, 3 de abril de 2016

ENCONTRO OBJECTIVO 45








ELE ENSINOU-NOS A CULTIVAR COM 

TODO O CARINHO, RESPEITO E AMOR A

SEMENTE DA UTOPIA...




Foram muitos os “jovens” e familiares do Grupo OBJECTIVO que se deslocaram de todos os recantos do país para celebrarem a Jornada da Amizade.

Na verdade tratou-se de uma iniciativa louvável a todos os títulos, para os  sessenta participantes que se reuniram neste magno encontro.


JOSÉ LUÍS COELHO,CARLOS PEREIRA,PE ISMAEL, ZÉLIA E RUI AÇO

Naquele adro da capela das Fontainhas de Seiça era fulgurante a felicidade, a alegria, o optimismo, a confiança e a esperança… bem marcadas no rosto de cada um.


É um momento que jamais se esquecerá, confesso francamente, que foi extremamente marcante esta reunião dos amigos do Grupo de Jovens OBJECTIVO de São Vicente de Fora.


 Mas para além de celebramos a verdadeira amizade, houve ocasião para uma simbólica homenagem ao Mestre de Vida – Padre Correia da Cunha (24 de Setembro 1917 – 2 de Abril 1977). Embora tenha sido um escasso momento, essa ocasião permitiu-nos constatar que é a vida e obra desta grande figura que nos congrega (2/IV/2016). Foi ele que esteve na criação deste Grupo de Jovens. Falar do Padre Correia da Cunha é falar de um exemplo de vida para todos os jovens de São Vicente de Fora dos anos 70. 

Ele foi e será um exemplo de renúncia e dedicação, empenhando-se totalmente nas causas em que realmente acreditava.

É também o exemplo de bondade e cooperação onde sempre se encontrava uma palavra amiga e animadora para todos.


ANA CRISTINA, RUI AÇO, ZÉLIA,PE ISMAEL, NOEMIA AZEVEDO, CARLOS PEREIRA E ALBERTINA


Foi um momento solene também a apresentação do livro: OBJECTIVO – 45 ANOS, da minha autoria, tendo a colaboração de muitos dos presentes neste doce encontro.

Não poderíamos em primeiro lugar deixar de expressar a nossa profunda gratidão à boa gente de Fontainhas de Seiça pela disponibilidade manifestada em colaborar com esta iniciativa dos Amigos do Grupo de Jovens Objectivo da Comunidade Paroquial de São Vicente de Fora de Lisboa.

Fizemo-lo na pessoa do Custódio Henriques (Presidente da Junta de Freguesia de Seiça) e da sua esposa Maria de Jesus Henriques (membro do OBJECTIVO). É um casal formidável que sabe estar na vida. Foram os grandes patronos desta iniciativa.

Não pudemos deixar também de agradecer ao Sr. Padre José Luís Ferreira a extrema sensibilidade e generosidade que teve para com este evento, abrindo-nos as portas da sua capela e cedendo-nos este espaço em que realizamos este encontro do OBJECTIVO.

Para eles, vai o preito da nossa gratidão.



Depois desta liturgia vamos ao Livro OBJECTIVO – 45 ANOS

Não é fácil falar de um grupo de jovens que teve uma vida tão rica. Difícil desafio para os apresentadores do livro – que são obrigados a fazê-lo de forma breve e sucinta.

Para dar início a esta sessão de apresentação foi convidada a Ana Cristina Dias, filha do autor do livro.

A sua apresentação foi não só um testemunho sobre a obra do seu pai, como manifestar a sua gratidão aos valores que lhe foram transmitidos e que tiveram a sua génese no mentor espiritual do seu pai: MESTRE DE VIDA – CORREIA DA CUNHA. Foi educada sob a égide desta máxima: a maior liberdade para a maior responsabilidade.

JOÃO PAULO DIAS, ANA CRISTINA DIAS, RUI AÇO E ZÉLIA


Foi fácil para o convidado que se seguiu fazer uma apresentação sobre o livro: Objectivo 45.

O Isidro Marques possui uma vasta e empenhada experiência de vida no Grupo de Jovens OBJECTIVO. Foi um dos seus fundadores. Observador muito atento  foi um activo influenciador de muitas das actividades desse grupo. Está ligado desde a primeira hora a este evento e através de uma simples mas decisiva apresentação procurou vincar a identidade do OBJECTIVO assim como o espírito que nos une nesta comunidade de afectos. 

ISIDRO MARQUES


É de salientar  a sua dedicação em servir o Grupo de Jovens OBJECTIVO de que foi parte activa na condição de membro do tripé (liderança informal do Grupo: CARLOS PEREIRA, RUI AÇO E ZÉLIA NUNES).

A intervenção a cargo do Carlos Gonçalves Pereira suscitou interrogações e acordou-nos para as problemáticas e perplexidades destes eventos do Grupo de Jovens da comunidade de São Vicente de Fora.

Registo que o Carlos Pereira nunca recusaria um convite para nos falar sobre o OBJECTIVO, sobretudo quando queremos de forma solene celebrar o 45º aniversário da data da sua fundação. A palavra é a sua arte. Porque essa é uma das suas grandes qualidades: a disponibilidade constante para partilhar com todos  a sua reflexão aprofundada sobre o Grupo de Jovens OBJECTIVO.

ISMAEL SANCHES (PE) , NOÉMIA AZEVEDO, CARLOS PEREIRA, ALBERTINA  GONÇALVES





























A encerrar esta sessão um homem conhecedor, como poucos, dos segredos da juventude. Podemos afirmar que nenhum segredo do mundo o surpreende. Nasceu em Portugal. Mas percorreu e viveu longos tempos nas terras do Brasil. Nunca deixou de manter bem firmes as suas raízes bem como as memórias do Grupo de Jovens OBJECTIVO. O nosso querido e apreciado Padre ISMAEL SANCHES que nos traz lembranças ao fio das emoções. Memórias de um tempo invisível. Pela sua mão visitemo-las. Serão tantas que não caberão nesta breve apresentação. São tempos plenos de vida e que jamais serão encerrados… antes cheios de esperança. Padre Ismael Sanches. Bem-haja por estar connosco. 





ISMAEL SANCHES (pe) NOEMIA AZEVEDO


Reunimo-nos hoje aqui, num encontro de família OBJECTIVO e para celebrar a Amizade, homenagear o Padre Correia da Cunha e a apresentação do livro: OBJECTIVO 45.

Fizemo-lo em ambiente de fraterno convívio familiar. Queremos leva-lo mais longe… À comunidade paroquial, a outras instituições e aos nossos amigos…

Desejamos providenciar um espaço onde o vasto espólio do grupo e as diferentes expressões artísticas dos membros do OBJECTIVO, aproveitando a diversidade de conhecimentos artísticos deste colectivo, seja exposto.


Mas para nos falar deste projecto que nasceu de uma ideia do Rui Aço e que já tem uma legião de seguidores. O próprio falou desse plano encantado, previsto para o dia 31 de Outubro próximo.

ZÉ LUIS, RUI AÇO, ISMAEL SANCHES E ZÉLIA AÇO


No dia de hoje, em que se celebra o 39º aniversário da sua morte do Padre Correia da Cunha (2 de Abril de 1977). Foi grato trazermos à memória um homem que viveu toda a sua vida ao serviço do próximo, transbordando sobre ele a sua amizade e imensa sabedoria. À juventude ensinou-lhe a arte de bem pensar e do conhecimento. Neste dia não podíamos deixar de evocar a memória do nosso grande pároco de São Vicente de Fora: PADRE CORREIA DA CUNHA.


ANA CRISTINA DIAS, RUI AÇO, ZÉLIA, ISMAEL, NOEMIA, CARLOS E ALBERTINA GONÇALVES



Soubemos aproveitar no ano que celebramos o 45º aniversário da fundação do Grupo de Jovens OBJECTIVO e de termos connosco o Padre Ismael Sanches para acolhermos as palavras que nos dirigiu com a sua inteligência e capacidade de insigne director espiritual do Grupo OBJECTIVO, encorajando-nos a continuar a manter estes encontros de indescritível beleza. Numa palavra a refundar o OBJECTIVO.



Queremos nesta oportunidade, perante a Família do OBJECTIVO manifestar o nosso reconhecimento, a nossa gratidão e amizade por tudo quanto o Padre Ismael Sanches fez: ensinando a cultivar com todo o carinho, respeito e amor a semente da utopia… 







Uma palavra de gratidão aos nossos baladeiros!

Este encontro da família OBJECTIVO foi enriquecido pelo grande momento musical, em que nos deliciamos com as vozes do José Carlos e Fernanda Faria.

Foi recordar um tempo em que o cântico era uma arma política.
A poesia; a arma de esplendor e afirmação de justiça, liberdade e amor. Eram tempos em que a utopia parecia possível…
Foi delirante ouvir de novo o nosso “hino” Cantata da Paz, expresso nos belos versos de Sophia de Mello Breyner Andresen.


Muito obrigado por esta alegria musical e de poesia popular.





Quero aqui também expressar uma palavra de muita gratidão ao Horácio Santos, autor da foto de capa do livro, OBJECTIVO 45. Esta fotografia é produto do espírito, da inteligência e do bom gosto de alguém que tem dedicado a sua vida à arte da fotografia.






O símbolo do grupo de jovens OBJECTIVO é o desenho de uma árvore (estilizado). Analogias: com plantar,como cultivar com procriar e como educar… Não deixa de ser significativa a capa de uma obra, pois é o seu rosto. É uma foto feliz com alguns subtis cuidados aos contrastes de luz e sombra. A obra foi trabalho de todos que permitiram a sua concretização. O livro OBJECTIVO 45 tem um rosto belo e especial, como o OBJECTIVO é especial e belo.










.





.