sábado, 24 de setembro de 2016

PADRE CORREIA DA CUNHA – 99º ANIVERSÁRIO















1917 - 2016


« A SUA VIDA FOI UM HINO À AMIZADE.»



Senti-mo muito pequeno, para neste dia dizer algo sobre a vida deste grande homem, que hoje celebraria 99 anos do seu nascimento – 24 de Setembro de 1917 * 24 de Setembro de 2016.


Quero simplesmente dizer que falar da obra deixada por Padre Correia da Cunha, não seria difícil, principalmente para aqueles que com ele conviveram e partilharam os seus ensinamentos.


O difícil amigos é saber-se avaliar o quilate daquilo que ele fez. Pois para isso precisávamos de possuir pelo menos um pouco daquilo que ele foi.
Dele recebemos conselhos, orientações e grandes incentivos, que nos levaram há altura podermos assumir compromissos de responsabilidade na Comunidade Paroquial de São Vicente de Fora.



Tínhamos no Padre Correia da Cunha, além de um 

grande Mestre, um grande amigo, que muito nos 

sensibilizava quando tratávamos pessoalmente com ele, 

e também pelo carinho que sempre dedicava a todos.






Quem não se lembra das suas palavras: “ Ser cristão é seremos amigos!” E com um sorriso sereno e alegre nos abraçava.

Sentíamo-nos naqueles momentos fortalecidos espiritualmente para cumprirmos os nossos deveres para com Jesus Cristo e para com a Comunidade que era a nossa grande família.


Momentos como aqueles… não há coração por mais rebelde que seja que não passe a bater como mais compaixão.


As suas palavras tinham o poder de fortalecer os mais desafortunados e desalentados.

Já muito doente dizia estar a sentir muitas dificuldades para prosseguir na luta pela vida, disse; tudo é difícil quando a doença nos atingi nesta existência, mas não deveremos deixar que as ideias rejuvenesçam sempre e o pessimismo se torne optimismo.


Hoje celebraria 99 anos de existência. Não podia deixar de registar neste dia os bons momentos que tivemos de viver na convivência amiga com este grande homem.



Ao aproximar-se o centenário do seu nascimento deveremos todos possuir a vontade de exteriorizarmos o nosso pensamento e empenharmo-nos numa merecida homenagem a este grande Mestre, pelo muito que fez em prol dos seres humanos, trabalhando incansavelmente pela formação humana e cristã, especialmente da juventude, pelas várias comunidades por onde passou Marinha e Paróquias.



Almoço de aniversário no Restaurante em Alfama 


Reconstruir as ideias do Padre Correia da Cunha nunca será uma tarefa fácil. Somente através dos testemunhos dos seus contemporâneos ou dos seus muitos discípulos. Os seus pensamentos transformaram surpreendentemente muitos homens de boa vontade. 


Esta foto permite-nos captar alguns deles: Emília Caldeira, Carlos Diamantino e esposa, Carlos Barradas que infelizmente já não estão fisicamente connosco, mas que desenvolveram as sua vidas a partir das muitas reflexões deste grande Mestre de Vida. Que pena não poder contar com todos eles para uma verdadeira investigação pela quantidade e qualidade de testemunhos importantes, que partilharam com este clérigo sábio, justo, um dos melhores educadores que tive como guia moral. Teremos de o fazer a partir da pouca documentação que chegou aos nossos dias.




Em nome de todos os seus amigos… 


Bem-haja

 Padre Correia da Cunha.



















.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

RÁDIO RENASCENÇA «A VOZ DO SINO» POR F. CUNHA












São Vicente está fora,
Mas lá dentro há muita Fé
Pois outro santo ali mora:
Padre Cunha ou Padre ZÉ.
(autor desconhecido)



Entre as muitas funções que o Padre Correia da Cunha exerceu destaca-se as de fâmulo do Cardeal Patriarca; cerimoniário adjunto da Sé Patriarcal e capelão chefe da Armada. No exercício desta ultima missão desenvolveu acção notável. Foi fundador da Associação dos Marinheiros Católicos e tomou parte em várias viagens de instrução de cadetes e marinheiros. É igualmente um tradutor erudito e competente de várias obras de caracter religioso.

O Padre Correia da Cunha também tomou parte nas conferências internacionais da Nato. 


Primeira Comunhão na Igreja dos Mártires - Chiado




Durante cinco anos prior da Basílica dos Mártires, onde desenvolveu extraordinária actividade, quer levando os fiéis a uma participação activa na liturgia, quer na restauração e reintegração artística do majestoso templo na sua traça primitiva.

Na Rádio Renascença, que ficava na área da sua paróquia, fez imensas palestras no programa «Voz do Sino» e onde desenvolveu grande actividade literária.

A convite do professor Mueller, da cadeira de órgão do Conservatório Nacional, e com a anuência do director do mesmo, foi professor de liturgia dos alunos dessa cadeira; no Instituto de São Pedro de Alcântara, realizou conferências semanais durante dois anos. Também como escritor e poeta se tem distinguido. Foi director do semanário «Voz da Verdade» de 1939 -40- Eis algumas das suas obras: «Pascha Nostrum» tradução da liturgia pascal; «Liturgia da Vigília Pascal; e tradução de «O dilúvio de Saint Sans» para a Sociedade Coral de Lisboa, tradução ainda mais bela que o original. Para a mesma sociedade traduziu vários poemas de Weinachflieder, de Mozart. E por ocasião das bodas episcopais do Senhor Cardeal Patriarca e em homenagem a Sua Eminencia escreveu um notável artigo na «Defesa Nacional» intitulado «Defensor Civitatis».

Fez ainda várias conferências de muitíssimo interesse entre as quais uma sobre São Vicente na sede dos Amigos de Lisboa, a qual foi publicada em separata; a pedido da editora suíça Benziger, traduziu para a língua portuguesa o Missal Romano (edição destinada ao Brasil); para a mesma traduziu ainda a «Imitação de Cristo», além de vários livros de piedade para crianças; e escreveu vários cânticos religiosos de profunda interioridade.

A paciência, disse Santo Agostinho «é a companheira da sabedoria». Esta situação ocorreu quando o Padre Correia da Cunha fazia diariamente palestras no programa da Radio Renascença. Era uma situação difícil que colocava à prova a sabedoria, liderança e habilidade do Padre na busca da melhor decisão e capacidade para o difícil momento.

Era uma pessoa tranquila e que mantinha uma invejável paciência. Era essa sua qualidade que sempre me inspirou a manter a paciência durante as dificuldades e quando há que tomar decisões difíceis.


Edifício da RR no Chiado


Vamos lá então à história. Nos anos 60 quando o Padre Correia da Cunha participava no programa «Voz do Sino» da Radio Renascença, houve um dia que chegou aos estúdios acompanhado do seu irmão mais novo, Fernando Correia da Cunha.

A equipa de produção do programa ficou em pânico quando se apercebeu que o Reverendo estava afónico e não poderia efectuar a sua habitual crónica radiofónica. Mas já levava consigo a forma inteligente para ultrapassar a «crise» que estava na pessoa que o acompanhava, o seu irmão que á época vivia consigo no Mosteiro de São Vicente de Fora.

Transmitiu então ao responsável da produção radiofónica que a crónica do dia seria lida pelo seu irmão, que previamente já a teria ensaiado, estando preparado para a efectivar aos microfones da Radio.

A decisão seria sempre do responsável da estação. Parecia difícil não optar por esta inteligente proposta do Padre Correia da Cunha, estando-se no limite de se dar inicio ao programa.

Arranca como habitualmente o plano e o leitor da crónica desse dia com o nome de Padre Correia da Cunha avança…

Diria o Padre Correia da Cunha que não se podia vacilar ou ser imprudente, mas mostrar confiança e convicção para que a sugestão apresentada funcionasse fantasticamente. E assim foi. O leitor da crónica para os ouvintes fora Padre Correia da Cunha.

Não consta que tenha havido algum ouvinte a chamar a atenção para esta simpática ocorrência, antes pelo contrário, a leitura fora tão esmerada que o Padre Correia da Cunha poderia perder o lugar no programa: «Voz do Sino».


Padre Correia da Cunha e amigos e com o seu irmão Fernando Cunha


A sabedoria inclui paciência. A paciência gera êxito. Isto aprendi com o padre mais sábio e paciente que conheci, apreendi muito com o Padre Correia da Cunha, inclusive a importância da lucidez…
Anos depois venho a encontrar o texto lido pelo seu irmão Fernando Correia da Cunha aos microfones da Rádio Renascença, intitulado de «Jesus e a Violência». Crónica essa que passo a transcrever:






 JESUS E A VIOLÊNCIA



Jesus Cristo pregou a solidariedade humana e estabeleceu o primado do amor. Mas estes sentimentos não encontram eco na vida dos homens. Há até quem em nome de Jesus faça sermões espalhando a violência, a hipocrisia e o ódio.
O texto que hoje, aqui transcrevo da autoria de Padre José Correia da Cunha e lido pelo seu irmão aos microfones da RR, convida-nos a seguir os divinos ensinamentos para a construção do Reino de Deus.


“Jesus é um caso estranho pelo seu comportamento.

Por isso, para interpretar correctamente as suas palavras e actos, é preciso não escolher arbitrariamente, segundo as preferências subjectivas entre umas e outras, mas tomar as perspectivas em que Jesus se coloca.

Em face da violência que reina no mundo, Jesus mostra-se mais radical do que o A.T. A lei de Talião requeria equidade na vingança para estabelecer a justiça ofendida. Jesus exige o perdão (Mat.6,12 e 14/15 e Mar.11,25) até setenta vezes sete (Mat.18,22). Jesus ordena a todos os discípulos «Amai os vossos inimigos, orai por aqueles que vos perseguem» (Mat.5,44, Luc.6,27). A todos e a cada um dos discípulos declarava «Não resistas ao mau que está no mundo» (Mat.5,39).

Jesus não emite juízo de julgamento sobre o acto de violência social, nos três casos citados por (Mat.5,39-41) tal como não autoriza a ministrar a economia do mordomo infiel (Luc.16,1-8) o juízo indigno (Luc.18,1-5). Jesus considera apenas o ponto de vista do individuo lesado e declara que é preciso ser vítima do… violento.

Ele próprio foi o primeiro a por em prática a sua doutrina: - Resiste à tentação de instaurar o Reino de Deus por meios violentos:

   Não quer transformar magicamente as pedras em pão, nem que fosse para matar a fome ao mundo inteiro (Mat.4,8)
  Recusa a ser um político revolucionário (Jo.6,15) e obter a Glória sem passar pelo sacrifício da sua cruz (Mat.16,22).

   Finalmente depois de ter suado sangue, declina o combate que os companheiros tentavam para o defender pela violência. Deixem! Basta! E vai ao ponto de curar um adversário (Luc.22,49).
Jesus não derramou outro sangue senão o Seu.
Mas por que não resistir ao mau?
Não por qualquer técnica de não-violência, mas por espirito de amor e de sacrifício – único meio de obter a reconciliação entre o violento e a sua vítima.
(Cf. Gen.33 a reconciliação de Esaú e Jacob; Gen.44 – a reconciliação de José com os irmãos).

O Reino de Deus não se estabelece pela força brutal, mas pela força divina, que se mostrou capaz de triunfar da morte, ressuscitando Jesus. Desde então todos os que pegam na espada morrerão pela espada (Mt.26,52).
Nos antípodas do espirito de Jesus, está daqueles que querem ripostar aos samaritanos que os não recebem, fazendo cair sobre eles o fogo do céu (Luc.9-54).

São os mansos, os construtores da paz, os que possuirão a terra como herança (Mat.5-41).

Diferentes dos «Chefes das nações que fazem pesar sobre os homens o poder da dominação» são e devem ser os discípulos de Jesus que devem fazer-se servos dos outros (Mat.20-25).
Quando Jesus bate em retirada, como o «Servidor de Deus» diante da maldade de seus inimigos (Mat.12-15,18-21…) entrega-se a Deus e realiza a bem aventurança dos perseguidores (Mat.5,10) tal como fora profetizado (Is.50,5…).


Mas quando perdoa aos que o crucificaram injustamente (Luc.23,34), quando indica ao discípulo para oferecer a outra face, Jesus ultrapassa o ideal do A.T. Não se contenta com um abandono passivo nas mãos de Deus, defensor dos oprimidos: - mas faz violência ao violento, porque tem em vista a reconciliação e a amizade. Vence a violência do mundo do mundo com a violência do bem, a violência do ódio com a do amor.”
















.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

ALA DOS AMIGOS DE PE. CORREIA DA CUNHA




Os amigos que partiram…








IN MEMORIAM



JOAQUIM MANOEL RIBEIRO GOMES DA SILVA



1931-2016



O Dr. Joaquim Manoel Ribeiro Gomes da Silva (1931-2016) é credor da nossa mais profunda gratidão e do nosso maior respeito.

Sinto-me muito pequeno para dizer algo sobre a vida deste grande Homem. 

Foi um benfeitor da Comunidade Paroquial de São Vicente de Fora e contou sempre com a amizade e o apreço dos párocos: Monsenhor Francisco Esteves (1900-1959) e Padre Correia da Cunha (1960-1977).

Doutorado em Físico-Químicas pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, exerceu actividade profissional como professor na Faculdade de Ciências Médicas da mesma Universidade. Dotado de um extraordinário valor moral, participava sempre, da melhor maneira, nos trabalhos que lhe eram solicitados pela sua paróquia de coração.

O Dr. Joaquim Gomes da Silva integrou com a sua extremosa esposa Dr.ª Cármen Vilhena Gomes da Silva, as várias equipes responsáveis pelos imensos CPM’S (Cursos de Preparação para o Matrimónio) da Comunidade Paroquial de São Vicente de Fora, cursos esses, organizados pelo Padre Correia da Cunha. Nesse incansável trabalho contribuíram para ajudar muitos noivos a edificarem lares felizes.

É no casamento que assenta toda a vida familiar e social. Quase todos os homens procuram, por uma tendência natural, constituir família. Portanto, há necessidade de se conhecer bem o que é o casamento e quais são as bases e condições para que do casamento saia a família feliz que se deseja.

O Dr. Gomes da Silva tinha recebido do Monsenhor Francisco Esteves uma imensa herança e tudo fez durante mais de cinquenta anos para a transmitir aos mais jovens. Posso testemunhar que nunca terá decepcionado o Monsenhor pois dedicou-se de corpo e alma nessa missão.

Em 1999 publicou uma obra intitulada: Mons. Francisco Esteves – Uma figura e uma época da Paróquia de São Vicente de Fora. O Monsenhor Esteves era uma majestosa figura possuidora de uma alta grandeza interior de ânimo, bem como de um espírito verdadeiramente superior, inteligente e grande carisma. Homem dotado de uma grande Fé e Amor a Deus e ao próximo. 

Quando em 2009 iniciei este blogue de homenagem ao Padre Correia da Cunha, tive uma longa e amigável conversa com o Dr. Gomes da Silva sobre este meu empreendimento. Só recebi dele bons conselhos, sensatas orientações e um grande incentivo… 

Momentos muito gratificantes me foram proporcionados nos vários encontros que mantive com o Dr. Gomes da Silva, onde me eram transmitidas histórias vividas na companhia do seu afeiçoado amigo Padre Correia da Cunha. 

Para mim o Padre Correia da Cunha era um grande Mestre, um grande amigo. Mas muito me sensibilizava e encantava, quando pessoalmente ouvia o Dr. Joaquim falar desse amigo comum e pela disponibilidade, carinho e apoio que sempre dedicou ao meu trabalho de homenagem a este notável pároco.

São momentos e lembranças inesquecíveis. Ambos queríamos perpetuar para as novas gerações o brilho da Paróquia de São Vicente de Fora (1900-1977) e dos notáveis párocos que a pastorearam. 

Congratulávamo-nos por termos tido a felicidade de privar de perto com duas proeminentes figuras da Igreja: Padre Correia da Cunha e Mons. Francisco Esteves (não conheci pessoalmente o Monsenhor) mas através deste seu discípulo senti a sua bravura e luta inquebrável e pertinaz, muito atento aos problemas dos mais desfavorecidos. Levou a efeito muitas obras no domínio do apostolado social: a criação das escolas primárias, com cantinas sem custo para os utilizadores. A grande jóia era o Patronato Nuno Álvares Pereira, onde acolhia muitos jovens, proporcionando-lhes a prática do desporto, actividades teatrais e musicais, assim como passeios educativos e religiosos.

Não poderia deixar de expressar nesta justa homenagem a admiração e o meu grande sentimento de apreço pelo Dr. Joaquim Gomes da Silva. Sempre contei com o seu incentivo, estímulo, aplauso e com a gratíssima honra da sua profunda amizade.

Após a sua aposentação dedicou a vida ao estudo e conservação dos arquivos da história da paróquia de São Vicente de Fora, tornando-se num dos mais conhecedores da vida litúrgica e das práticas cristãs e sociais em prol da implantação do cristianismo nos lares da freguesia de São Vicente de Fora. 

Pelos seus nobres predicados tornou-se credor da maior estima e de respeito de todos os paroquianos desta Comunidade.

Pela sua tenacidade e vontade de bem servir a Comunidade Paroquial de São Vicente de Fora é justo prestar esta homenagem e exprimir em nome de todos os seus afectuosos amigos um agradecimento à dedicação de longos anos de trabalho à comunidade.

No dia 18 de Julho de 2016, foi repousar na Glória de Deus. Hoje junto ao PAI e de seus amigos e pastores Mons. Francisco Esteves e Padre Correia da Cunha continuará a interceder por todos nós, que fomos seus amigos.

São Vicente guarda-o em seu coração!

Deixou em todos muitas saudades.

RECEBEI, SENHOR, NA GLÓRIA DO VOSSO REINO O NOSSO IRMÃO.



















.

quarta-feira, 13 de julho de 2016

JORNAL OBJECTIVO DE 1974









Maqueta do Jornal OBJECTIVO


O PRIMEIRO NÚMERO DO JORNAL 

OBJECTIVO NÃO SAIU DO PRELO.




Em inícios do ano de 1974, os elementos do grupo de jovens OBJECTIVO tinham uma imensa e deslumbrante aspiração: o lançamento do seu primeiro jornal, em forma gráfica.

A publicação deste jornal feito por jovens trazia uma imensa vantagem: estabelecer através deste veículo um contacto próximo entre os jovens e a comunidade paroquial de São Vicente de Fora.

Para o efeito, foi criada uma equipa responsável pelo jornal, constituída por Manuel José Coelho, José Rodrigues Neves, Luísa Beato, Rui Sequeira Aço e Carlos Gonçalves Pereira.

Contudo, havia uma grande polémica gerada à volta do ponto central do jornal: a questão editorial.

A linha editorial do jornal deveria ficar claramente definida, assim como o carácter cristão da publicação.

Sabiamente foi escolhido para director do jornal o assistente espiritual do grupo OBJECTIVO conhecido pela sua abertura aos ventos de mudança que iam despontando na sociedade.
Mas tratando-se de um jornal de um grupo de jovens, destinado à comunidade em que se inseriam, haveria uma responsabilidade acrescida no tocante às matérias a publicar. 



Mosteiro de São Vicente de Fora (topo)


Convém lembrar que à época já existia um jornal de parede, confinado às instalações do grupo de jovens, situadas nos claustros do Mosteiro de São Vicente de Fora.

A publicação do jornal passaria a ser um serviço comunitário, prestando informações e veiculando opiniões úteis para todos os paroquianos da comunidade cristã de São Vicente de Fora.


Este projecto do lançamento de um Jornal não estava baseado na promoção e satisfação das vaidades pessoais dos elementos que constituíam a equipa de redacção. Havia a profunda percepção que o jornal se dirigia a uma Comunidade Paroquial cristã, visando-a tomar consciência dos problemas da sociedade portuguesa e originar uma resposta clara na busca das suas resoluções.




Todo o grupo se sentia motivado quando tomou conhecimento desta brilhante iniciativa. Era um projecto positivo, que iria gerar em toda a comunidade de São Vicente de Fora, um grande regozijo pelas pontes que poderia lançar, abertas ao diálogo profícuo entre jovens e menos jovens. Mas houve um pequeno esquecimento: é que todos os textos teriam de ter a prévia autorização do líder comunitário, cuja autoridade para o efeito lhe era reconhecida pela sua competência, deveras respeitada.

Membros do Grupo OBJECTIVO
Numa profunda pesquisa sobre a vida embrionária desse primeiro jornal OBJECTIVO venho a verificar a existência de alguma polémica entre os redactores e o pároco.

As contradições existentes na sociedade portuguesa da época reflectiam-se também aqui, o que levou o então Cardeal Patriarca de Lisboa, D. António Ribeiro, a comentar: “ Há que reconhecer e aceitar as parcelas de verdade, venham elas de onde vierem, mesmo se da contestação mais violenta e radical…”

Também o director espiritual do grupo OBJECTIVO em amigáveis conversas com o Padre Correia da Cunha sobre essa irreverência dos jovens, havia afirmado: “Você, o nosso prior, quer milagres… Falta-lhe fósforo.”

É por estar envolvido no meio de tanta polémica, que o primeiro Jornal OBJECTIVO não chegaria a sair do prelo, devido ao seu conteúdo original não ter sido acolhido.

O Padre Correia da Cunha mostrava-se “alarmado” com a falta de uma orientação humanista de carácter cristão do Jornal OBJECTIVO. Para ele, um jornal de um grupo de jovens da paróquia teria de oferecer uma visão cristã sobre as temáticas nelas abordadas.

Pensava-se que tendo o jornal a direcção do assistente espiritual e sendo da sua responsabilidade o editorial, apresentaria todas a condições para ser aceite pelo responsável pela paróquia.

Já lá vão 42 anos! Era opinião unânime que este número do jornal OBJECTIVO teria sido publicado. Mas verifico hoje, que após as alegações do pároco não havia condições para ser publicado.

Nem tão pouco me consta que tenha havido intenção dos autores dos textos quererem negociar, pois dificilmente teriam armas subtis para modificarem os conteúdos dos materiais, respeitando assim reverentemente as recusas do editor que por inerência estatutária era o Padre Correia da Cunha.




SÍMBOLO DO  OBJECTIVO


Para os jovens mantinham-se bem válidas as razões de ser do OBJECTIVO.

O Grupo de Jovens OBJECTIVO era um grupo de Igreja.

Na sua curta existência (3 anos) conseguiu já realizar uma caminhada em conjunto, sem todavia ter atingido horizontes espectaculares.

O OBJECTIVO como grupo de Igreja e que cada vez mais pretende ser, procura aplicar o Evangelho às realidades concretas do mundo em que se insere.

Por isso o Grupo de Jovens OBJECTIVO deseja ser libertador e mostrar ao homem toda a sua dimensão.

Por isso o OBJECTIVO quer, com todos, ser comunidade autêntica e dar ao homem o sentido do amor fraterno.

Por isso o OBJECTIVO quer ser verdade e dar ao homem a paz interior.

O grupo de jovens OBJECTIVO quer chegar a todos os que entendem ser seu dever lutar pela liberdade, pelo amor, pela verdade e pela paz.

O OBJECTIVO é ajudar a construir o Reino de Deus anunciado por Jesus Cristo.


Para terminar acrescento apenas um pequeno comentário do Padre Correia da Cunha sobre este assunto:

“Tenho pena, muita pena mesmo, que o assistente espiritual do grupo não tivesse detectado todo o mal que apontei, certamente não leu tudo ou fez uma leitura apressada. Caso contrário ele teria visto os erros. Compreensíveis aliás destes nossos jovens escritores precisamente por serem jovens e de sangue na guelra comprovadamente e tê-los aí ajudado com a sua comprovação a fazerem a coisa melhor, mais positiva, interessante e válida…
Não, o assistente espiritual não deixaria passar o que eu não deixei, como aliás, ninguém de boa consciência deve deixar garotos dar tiros à toa ou manejar armas de fogo a quem nunca recebeu instruções de tiro.”


Padre Correia da Cunha

Para acabar um pensamento pleno de humanismo do Padre Correia da Cunha sobre este Grupo de Jovens OBJECTIVO:



- Penso também: Por que será que perco noites com estas micas de senhora comadre cá do sítio, quando há coisas mais sérias e importantes que me devem preocupar? Será porque os amo?
Talvez. Mas eles compreendem e aproveitam, ao menos? E de quem será a culpa?






















.

segunda-feira, 4 de julho de 2016

II CONFERÊNCIA DE CAPELÃES DA NATO














QUAL A UNIDADE ESPIRITUAL DA NATO QUE BUSCAMOS?



A segunda conferência de Capelães Navais dos países da NATO foi realizada em Outubro de 1957, nos Estados Unidos da América.

Provavelmente, a terceira conferência a realizar, em 1958, será a meio caminho entre a primeira (Haia-Holanda) e a segunda (Washington). Isto era o que se ouvia nos corredores, nas conversas havidas entre todos os capelães chefes, presentes nesta II conferência, no Memorial Building.
O interesse prático destas conferências era o fortalecimento dos laços espirituais, que uniam os países que faziam parte da NATO. Assim, ficou lavrado em acta das conclusões tiradas na primeira conferência de Haia - Holanda. Os capelães devem contribuir para construir pontes entre Nações, independentemente das convicções espirituais.

A abertura desta segunda conferência esteve a cargo do Capelão da Grécia, CDR Epiphanios Kalafatis, chefe dos capelães da Real Armada Grega, que orou para que os esforços colectivos dos delegados ali presentes contribuíssem para a união dos países da NATO no benefício de toda a Humanidade.

O almirante Jerauld Wright, comandante supremo do aliado do atlântico, uniu-se a esta súplica e agradeceu a todos os presentes o empenho nesta reunião, formulando votos para que a poderosa influência unificadora das capelanias, representantes das várias religiões, pudessem trazer à grande aliança a forte determinação na defesa da Paz, Verdade e Justiça.

O presidente dos Estados Unidos, Eisenhower não deixou de enviar uma mensagem à conferência dos capelães, expressando a sua total confiança nestas jornadas: “ Acho que vocês estão fazendo um excelente trabalho. A NATO é uma organização que deverá ser lembrada e respeitada pelas várias histórias nacionais, tanto quanto as vossas bandeiras…”

O Secretário de Marinha dos Estados Unidos da América, Thomas S. Gates Jr. na sua intervenção após ter desejado as boas vindas a todos os delegados, afirmou: “Esta conferência pode trazer um novo significado e esperança a todas as Nações Livres, que desejam construir com os seus cidadãos uma disciplina moral que assegure um Mundo moralmente viril.”

Deu início aos trabalhos o Delegado do Canadá, que suportou a convicção que a religião é a fonte das maiores virtudes sociais de obediência e patriotismo. É dever de todos os governos das nações aqui reunidas dar-lhe estabilidade e resistência.

O capelão Arcediago F. D. Bunt da frota da Real Armada do Reino Unido chamou a atenção para a nobre missão dos capelães: pregar e louvar a fé cristã no sentido de converter aqueles que estão afastados da vida cristã na qual reside a esperança da salvação do homem.
Naturalmente, o capelão Bunt não estava a pensar em termos dos corpos de capelães que possuem capelães judeus e islâmicos.







Nos documentos que tive acesso, produzidos nesta segunda conferência dos capelães da NATO, constato que há um elevado número de problemas semelhantes entre as diversas capelanias.

Monsenhor Cammaert, chefe dos capelães das Forças Armadas da Bélgica afirmou: “Antes da segunda guerra a tendência era para organizar serviços com uma grande exposição fora das unidades militares. No presente é o inverso. As celebrações ocorrem dentro dos estabelecimentos militares com muita dignidade e simplicidade.”

Neste seguimento o capelão chefe da Marinha de Guerra Portuguesa, o Padre Correia da Cunha, referiu que se estavam a envergar grandes esforços, no sentido de se criarem condições dentro das Bases Navais em Portugal para a realização dos actos de culto. Os marinheiros portugueses são incapazes de recorrerem ao clero paroquial para viverem a sua vida cristã.
A Dinamarca já há mais de três séculos que dispõe de templos nos seus estabelecimentos militares que são utilizados como as naturais paróquias da família militar.  

As capelanias francesas estão a reclamar por um crescente apoio legislativo e administrativo, pois já desde 1953 que foi criado um Vicariato Militar e só recentemente foi reconhecida a função de Capelães Judaicos e de Capelães Protestantes.

O delegado alemão disse que, sob orientação do Hitler, o objectivo era suprimir totalmente as capelanias. Hoje, há disposições legais extremamente interessantes para se formar um Ministério que possa gerir adequadamente os capelães, assim como os meios colocados ao seu dispor para o cumprimento cabal da missão das várias capelanias militares.

Na Itália, até ao início da primeira guerra, as capelanias tiveram um glorioso passado. Referiu o Vice-almirante Cândido Brigliardi, depois da guerra todos os capelães foram devolvidos à vida civil (excepto 3 capelães que se encontravam ligados à Marinha Italiana). No ano de 1936, iniciou-se o processo jurídico para dar existência legal aos capelães que deveriam servir os três ramos das forças armadas. Criou-se um Ordinariato Militar, que mais tarde se tornou extensivo também às forças polícia e de segurança.






O Arcediago Bunt, representante da Igreja Anglicana Inglesa, referiu que o suporte para os capelães não anglicanos tem sido bastante travado desde o início do século. Felizmente, no ano de 1943, foi possível alcançar a completa paridade em títulos e condições de serviço. A história do nosso corpo de capelães navais é clara e tem sofrido contínuas melhorias desde 1775. Era obrigatório levar o Serviço Divino a bordo dos Navios da Marinha Continental.

Após a Revolução Francesa, o anticlericalismo, tanto na França como em Portugal, dizimou as venturosas capelanias. Apenas em 1940 e em 1945, em Portugal e França, foram restauradas com muitas limitações nas suas acções. Relembrava o Monsenhor Potevin delegado da Marinha Francesa: “ Eles podem exercer a sua influência nas questões morais e sociais, mas no domínio dos serviços divinos são limitados, no desempenho de funções como a pregação, a realização de culto, celebrações litúrgicas, educação religiosa, retiros espirituais…”

Na Noruega, há preocupações no desenvolvimento de lideranças morais, organizando-se acções de formação e palestras sobre moral.
Em Portugal, segundo informação dos seus delegados há formação moral incluída na recruta dos instruendos da Marinha e diferentes cursos de especialização dos capelães, visando um maior profissionalismo nestas funções pelos clérigos do quadro de capelães navais. Algo parecido também é feito na Royal Navy do Reino Unido. Já na França, o capelão, que é um sacerdote e, cujo seu papel entre outras responsabilidades é o de organizar Cursos de Preparação para o Matrimónio, levando que os novos casais se possam empenhar na acção católica, inspirando-os a exercer influência sobre a sociedade em que se encerem.






Quais são pois as principais diferenças nas capelanias da NATO?

·        Diferenças de antecedentes históricos
·        Diferenças de religiões representadas
·        Diferença no número de capelães por Armada
·        Diferença do tempo de serviço militar obrigatório
·        Diferenças de estatutos, títulos, vencimentos e uniformes

Apesar de algumas lacunas existentes na Capelania Naval Portuguesa, esta conta com mais de oito séculos, idade muito semelhante à Capelania Naval da Grã-Bretanha.
O iluminismo surgido com a Revolução Francesa preparou o caminho para ondas de sentimentos anticlericais tanto em Portugal como na Inglaterra, o renascimento religioso do século XIX trouxe melhores posições e oportunidades aos capelães da armada inglesa.

Falemos um pouco da Turquia. Esta nação é a mais recente a se interessar por qualquer coisa como uma capelania militar. Foi a primeira conferência dos capelães da NATO em 1956, que atraiu a atenção do Ministério Turco da Defesa, que deu início a uma serie de estudos para se elaborar um plano de desenvolvimento das actividades morais e culturais nas suas forças armadas.

Pela primeira vez, surgem nesta conferência «agentes morais e culturais» da Turquia, uma das principais figuras dessa delegação era o Professor Nusret Kaymen, ministro da educação da Turquia. Foi uma surpresa nesta conferencia a presença de «agentes morais e culturais» como capelães navais da Grécia que são clérigos ortodoxos. 






Só dos Estados Unidos da América marcaram presença 824 capelães.

É impossível saber a força numérica dos capelães navais existentes nos países da NATO, devido a estas diferenças; organização militar e eclesiástica. A marinha real dos Países Baixos possui cerca de 40 capelães (20 protestantes e 20 católicos), recebem comissões regulares e podem fazer carreira na Marinha Holandesa.

Na Noruega (representada nesta conferência pelo chefe de delegação o Capelão CDR Halvar Maxnes Landsem), onde 96% da população pertence à Igreja Luterana, todo o corpo de capelães pertence a essa Igreja. A Dinamarca que teve como chefe da delegação o Reverendo Dr. Michael Neiiendam, chefe dos capelães da Real Navy e confessor do Rei possui uma situação semelhante à Noruega.

Em Portugal, os cinco capelães navais são da Igreja Católica, pois a população é cerca de 95% católica.
Os Estados Unidos da América, a França e o Reino Unido têm três grupos cada (Católicos, Protestantes e Judeus). A Bélgica, Canadá e Alemanha Federal tem dois grupos (protestantes e católicos).

Diferenças quanto à classificação e estatuto, uniforme, vencimento. Os capelães dos Estados Unidos e Noruega possuem estatuto militar. Os capelães da Alemanha, Bélgica, Canadá, Holanda, Reino Unido, Dinamarca, Portugal e França possuem uma posição pouco definida a que poderemos chamar “equiparado a oficial”.

Os capelães da maioria dos países da NATO usam uniforme militar, mas é opcional. No entanto, os uniformes não são usados por capelães gregos. O título oficial de um capelão belga é simplesmente Monsenhor ou Sir.

Foi um desafio interessante o que o Professor Nusret Koimen ministro da Educação da Turquia lançou nesta segunda conferência. “Sendo o único membro muçulmano da NATO, a Turquia é o único país que poderia servir como agente catalisador na realização da unidade espiritual das nações do mundo”.
Logo de seguida este papel de agente catalisador foi também reivindicado pelo judaísmo. 
Então coloca-se a seguinte questão: Qual a unidade espiritual da NATO que buscamos?

É inteiramente determinada pela oposição ao comunismo e rejeição do ateísmo? É o monoteísmo na sua essência, com a implicação moral que, se Deus é um, só todos os homens estão de alguma forma relacionados? Pode-se fugir a estas questões, baseando-nos no nosso lema “cooperação sem compromisso” ou estarão a ser respondidas pelo curso dos acontecimentos?

Estará assumido por todos nós que a religião só por si é boa? 




O Padre Correia da Cunha foi um sonhador e um visionário que soube incutir em cada marinheiro esse espírito e ambição. A terminar transcrevo o discurso proferido nesta segunda conferência de capelães da NATO pelo Capelão Correia da Cunha para podermos ter uma visão mais aprofundada sobre a capelania naval da armada de Portugal.





Capelão Correia da Cunha



“Por amável convite do Reverendo Almirante Harp, ilustre chefe dos capelães Navais Norte-Americanos (cujas as altas qualidades o impõem ao respeito e admiração e todos sem distinção de Credos), cabe-me a mim a honra de apresentar a Vossas Reverencias uma visão panorâmica da Capelania Naval Portuguesa, que a sua gentileza qualificou de jovem.
Não é intenção minha experimentar a paciência de Vossas Reverencias (sei que todos são almas cheias de tão necessária virtude); mas simplesmente traçar um quadro, necessariamente esquemático, do que foi e do que é a Capelania Naval Portuguesa.

Permitam-me, porém, que, antes de entrar no assunto, agradecendo a intenção do Reverendo Almirante Harp em chamar jovem à nossa Capelania, esclareça, desde já, que ela não é, de facto; tão jovem como parece. Na verdade, apesar de uma ou outra crise transitória, provocada por filosofias mais ou menos materialistas com os correspondentes fenómenos políticos-sociais, a Capelania Naval Portuguesa tem a linda idade de oito séculos…

Portugal é uma Nação cujas fronteiras ficaram definidas, na velha Europa, desde o século XII. Nasceu e cresceu à sombra da Cruz de Cristo, de um movimento de reconquista cristã que bem pode chamar-se uma autentica cruzada contra os usurpadores do seu território.
Geograficamente situado no extremo ocidental da Península Ibérica, é como uma varanda aberta sobre o mar oceano.
Estes dois factores fundamentais fizeram de Portugal uma Nação estruturalmente cristã e marítima.

Não é, pois, de estranhar que, desde o princípio, embora sem a organização que mais tarde viria a ter, Portugal tivesse uma Armada e nela, clérigos que serviam os superiores interesses morais e espirituais dos marinheiros, desses homens fundamentalmente cristãos que tinham por estandarte a Cruz.

Sem falar em antiquíssimas lendas que andam ainda hoje na boca do povo, mas que não podem comprovar-se documentalmente, podemos afirmar com todo o rigor mais exigente critica histórica que, já no século XII havia em Portugal uma pequena, mas eficiente Armada.
Sabe-se, com efeito, que na reconquista cristã da orla marítima do nosso território e sobretudo na reconquista de Lisboa, em 1147, foi importantíssimo decisivo o papel desempenhado na luta pelas pequenas embarcações costeiras das populações ribeirinhas e principalmente pelas naus dos Cruzados Anglo-Saxões e Normandos que, por esse tempo, se dirigiam à Palestina para defenderem o Sepulcro de Cristo.

Documentos coevos afirmam que morreu no Tejo a combater por Cristo um dos capitães das galeras de El-Rei ; e Ausbern, Clérigo Anglo-Saxão, descreve, em preciosa carta para a sua família, os trabalhos passados pelos Cruzados para a reconquista da princesa do Tejo.

Desses e de outros documentos consta o grande número de clérigos que, não sendo capelães, na moderna acepção do termo, eram de facto os Guias Espirituais daquela gente. Tal como acontecia nos exércitos de terra, cuja bandeira era a Cruz alçada por um clérigo, também os Cruzados do Mar eram animados nos combates e fortalecidos nas provaçõe4s por eclesiásticos. Esse era, aliás, o espírito dessa tão caluniada Idade Média em que a Igreja, através da acção missionária dos seus monges, civilizou os Bárbaros e gerou maternalmente as grandes Nações do velho Mundo.

REI D. DINIZ
Um dos clérigos mais célebres na reconquista de Lisboa e que podemos com razão chamar o primeiro capelão naval historicamente conhecido, ao serviço de Portugal, foi Gilberto, Cruzado Anglo-Saxão, a que D. Afonso Henriques, em reconhecimento dos seus feitos e da sua virtude, faz sagrar como Bispo daquela cidade.
Desde então, as Naves Portuguesas tem tido sempre assistência religiosa, mais por imperativo da consciência cristã dos Marinheiros que por imposição legal ou ordenações régias.
Na reconquista cristã do Algarve, em 1249, temos de novo notícia de uma frota cuja principal missão era cortar todo o apoio do Norte de África era prestado aos Mouros daquele Reino.
É, porém, no tempo de D. Dinis (1279-1325) que se organiza com carácter definitivo uma Armada Nacional que dispõe das melhores unidades navais, então possíveis, e se inicia uma instrução naval sistemática.


Esse grande Rei manda vir de Génova e paga a peso de oiro os marinheiros mais experimentados daquele tempo, e nomeia até um dele Manuel Pasagno, almirante da sua frota.


O fundador da Universidade de Coimbra, um dos centros culturais mais célebres da Idade Média, é, ao mesmo tempo, um dos maiores cultores da poesia trovadoresca; é um homem de grandes iniciativas que fomenta a agricultura, o comércio e a indústria; e é o espírito largo que, reconhecendo a distância a grandeza da missão histórica de Portugal, prepara a gloriosa época dos descobrimentos. É, ele, com efeito, quem (como disse) dá uma estrutura técnica e científica à Armada Portuguesa, e, na previsão da expansão marítima de Portugal, manda semear os grandes pinhais de onde haveriam de construir-se as Naus que, pouco mais tarde, cruzavam todos os mares, “ Dando ao Mundo Novos Mundos” e, o que é mais, novas estrelas!”.

Poucos anos volvidos, há notícias das Naus Portuguesas, causando admiração a outros povos marítimos, como a Inglaterra, cujo Rei Eduardo III manda tratar como barcos de país amigo, concedendo-lhes a sua protecção e dando-lhes todas as facilidades para comerciarem à vontade.

E a assistência religiosa era tal, que a Nau “Santa Maria” entre outras que estiveram na Grã-Bretanha em 1352, era comandada por um frade, de nome Domingos…Também em 1385, quando é preciso apontar as galés do norte do país para defenderem Lisboa ameaçada pelos castelhanos, é Dom Lourenço, antigo clérigo das Naus, ao tempo Arcebispo de Braga, quem pessoalmente toma a iniciativa de ordenar a expedição.







Do que foi a Epopeia Marítima dos Portugueses, nos séculos XIV, XV e XVI, creio que não haverá ninguém medianamente culto, que não saiba.


Na verdade, quem há aí que ignore terem sido a Fé Religiosa dos Portugueses e a sua ciência náutica e astronómica os factores mais importantes que determinaram uma nova História – A Idade Moderna?

A sombra do grande Infante Dom Henrique, fundador da Escola Náutica de Sagres, no extremo sudoeste de Portugal, projecta-se ainda hoje pela vastidão dos Mares e pela amplidão dos Céus. Foi graças ao seu estudo e às suas iniciativas, que nós descobrimos, no firmamento, o Cruzeiro do Sul, que hoje exorna a bandeira do Brasil, e, na terra, novos e vastos territórios, até então desconhecidos e, o que é mais, povoados das lendas mais tenebrosas.

As Naus e as Caravelas Portuguesas, marcadas a sangue com a Cruz de Cristo, enfrentam todos os mares; os nossos Marinheiros levam nas mãos calosas as chaves dos segredos e mistérios que, então, a Terra ciosamente guardara; e os nossos missionários, com um espírito verdadeiramente apostólico, vão dispostos a transformar o Oceano em Pia de Agua Benta para baptizar o mundo!...

Nem se pense que esta síntese é fácil figura de retorica!

Ei-los que saltam ao Norte de África para aí estabelecer um baluarte que assegure a expansão da Religião Cristã e a dilatação do Império.

Fazem-se depois ao mar misterioso e descobrem a Madeira e os Açores. Desvendam-se e percorrem toda a Costa Ocidental Africana, semeando-a de Padrões (pilares de pedra encimados pela Cruz de Cristo) e estabelecendo feitorias e missões. Dobram o Cabo das Tormentas, a que o próprio Rei dá o nome de Cabo da Boa Esperança. Esquadrinham toda a Costa Oriental Africana, chegando a contacto com o famoso Prestes João. Chegam à Índia, por mares nunca de antes navegados, abrindo assim caminho para o intercâmbio dos povos ocidentais com o misterioso Oriente. Deixam bem assinalada a sua passagem nas Molucas, em Ceilão e em Malaca.

Relacionam-se com o longínquo Dai-Nipon. Estabelecem-se em Macau e em Timor. E nas Américas, descobrem o Brasil, a Terra Nova e o Labrador. E é ainda um Português, Fernão de Magalhães, quem, com a viagem de circum-navegação dá ao mundo a prova experimental de que, de facto, a Terra era redonda.

E (demostração insofismável da sua Fé e do seu Génio!) em toda a parte, onde quer que passa ou se estabeleçam, os Portugueses, respeitando as tradições, usos e costumes que encontram, são apóstolos da Civilização Ocidental e da Religião Cristã, num esforço civilizador e missionário verdadeiramente únicos na História. Lembremos apenas que o primeiro acto que se realizava imediatamente após o desembarque, era o Santo Sacrifício da Missa, celebrado pelos sacerdotes que sempre iam a bordo e cujo primeiro cuidado era procurar ensinar aos indígenas a língua portuguesa para depois os catequizarem distribuindo-lhes livros de doutrina e Bíblias em vernáculo. Ainda hoje, nalgumas regiões de Sumatra se chama «falar cristão» aos dialectos mais ou menos portugueses que por lá existem.


Verdade seja que, ao mesmo tempo que andavam dilatando a Fé, procuravam também alargar as fronteiras políticas do seu Império, e as fronteiras económicas do seu comércio. Mas, com uma visão cristã da sua missão histórica, os Portugueses tinham como supremo objectivo um ideal civilizador e religioso: - sem violentar as consciências e sem abolir os usos dos outros povos, procuravam sempre mostrar-lhes, pela pregação do Evangelho, a grande nova que dos homens faz filhos de Deus e, portanto, irmãos e amigos, como expressamente determinavam o Infante de Sagres e os Reis Dom João II E Dom Manuel I em suas cartas.

Nem de outro modo se explica o facto de, ainda hoje, apesar de todas as vicissitudes políticas, Portugal ser uma Nação repartida em quase todos os Continentes.




E (prova deste espírito de tolerância dos Portugueses) é ainda a actual coexistência das mais variadas religiões nos territórios ultramarinos, designadamente na Índia Portuguesa, onde, sob a bandeira das cinco chagas de Cristo, unidos por um forte sentimento patriótico, vivem irmãos Maumetanos, Hindus, Protestantes e Católicos. 

Outra prova da largueza do espírito missionário português foi a grande inovação de promover a formação e ordenação de clero indígena. Três séculos antes do actual movimento de renovação missionária, já Portugal tinha sacerdotes negros, como ainda há pouco lembrava o grande escritor francês Daniel Rops.


Capelães não seriam (na moderna acepção do termo) os missionários que acompanhavam os Marinheiros. Mas quanta assistência a bordo não prestaram eles? É ler as crónicas do tempo, folhear os diários náuticos, compulsar a História Trágico-Marítima - e ver –se- à o zelo apostólico, o espírito de sacrifício , a abnegação desses Sacerdotes-Marinheiros. Sempre prontos a assistir aos doentes e moribundos; sempre solícitos em consolar os tristes e saudosos; sempre desprendidos dos bens terrenos, para, como São Paulo, serem tudo para todos, a fim de conquistar todos para Cristo.

Dentro de tão curto espaço de tempo (de 1940 até hoje) conseguiu-se ainda a construção de uma Capela na Zona Naval do Alfeite, a restauração de outra no velho Arsenal de Marinha, em Lisboa, e adaptação de salas a capelas nos principais centros de instrução naval, como por exemplo, na Escola de Alunos Marinheiros, no Corpo de Marinheiros e na Escola Naval.

Devido apenas ao exíguo número de capelães, é que somente em viagens de instrução é assegurada aos Marinheiros a assistência religiosa.







No que respeita a problemas sociais, os capelães tem sido elemento indispensável nas obras de previdência e auxilio quer oficiais, como Acção Social da Armada (ASA), quer particulares, como Conferencias de São Vicente de Paulo, fundadas por Oficiais e Cadetes.


Estão ainda a cargo dos Capelães as aulas de Moral aos recrutas e a diversos cursos de especialização de marinheiros, e criou-se um movimento (Associação dos Marinheiros Católicos) para a formação de uma sã consciência religiosa e moral dos seus filiados, que já se contam por centenas e estão espalhados por quase todas as unidades de Marinha, formando em algumas deles núcleos muito activos.

Para os oficiais casados, começaram-se umas reuniões de formação conjugal e familiar, que se procura estender também aos sargentos e praças com famílias constituída.

Esboçou-se e procura-se desenvolver também uma Associação de pessoas de boa vontade, ligadas ou não directamente à Marinha que assegurem eficaz auxílio espiritual e também material aos Padres Católicos.

Quanto à vida religiosa propriamente dita, sempre os Capelães tem posto todo o seu empenho em que ela seja autêntica e sincera, não se limitando, portanto, a encaminharem o pessoal para as cerimónias religiosas, mas procurando que essa vida se traduza numa caridade ardente e numa moral irrepreensível.

Procura-se acima de tudo, não o número que poderia corresponder a um farisaísmo hipócrita, mas a qualidade que significa verdadeira vida de união com Deus.

Presentemente podem reduzir-se a quatro as nossas mais urgentes necessidades:


1- Necessidade de uma organização castrense que tenha autoridade canónica bastante para regulamentar, orientar, coordenar e desenvolver as actividades religiosas dos capelães;

2- Necessidade de mais capelães, para acorrer às mais urgentes necessidades religiosas dos marinheiros;

3- Necessidade de leigos, devidamente preparados, para coadjuvarem os capelães;

4- Necessidade de uma compreensão mais profunda, por parte das Entidades Oficiais, na nossa acção religiosa e de necessidade absoluta de dar à Marinha uma sólida, autêntica e sincera formação pessoal dos marinheiros, maior engrandecimento da Pátria e maior glória a Deus.


Chegado ao fim de tão longo discurso, penso não ter conseguido fazer a paciência de Vossas Reverencias, unicamente por este motivo: É que ela é tão grande como a vossa caridade! 
















.