segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

PE. CORREIA DA CUNHA - CENTENÁRIO DO NASCIMENTO










PRIMEIRO CENTENÁRIO DO NASCIMENTO DO PADRE CORREIA DA CUNHA











É com uma saudosa emoção que inicio este primeiro texto do ano de 2017, ano em que se celebram os 100 anos do nascimento do Padre Correia da Cunha (24 de Setembro 1917 – 2 de Abril de 1977). Mais do que um grande Mestre de Vida, Correia da Cunha foi padre, marinheiro e poeta.

É comum afirmar-se que somos um povo saudosista e sentimental, debruçado sempre sobre as heróicas glórias de um passado longínquo. Este falso e deprimente conceito tem contribuído para que haja um grande receio e timidez em homenagearmos os grandes vultos com quem tivemos a felicidade de conviver, mesmo que isso se torne justo e necessário.

Falar das grandes figuras é praticar um acto de justiça, para relembrar perante as novas gerações os mais elevados valores daqueles que mesmo depois da sua morte deixaram indeléveis marcas e que seguem sendo faróis para muitos de nós, pois apontam no sentido do amor a Deus e do bem ao nosso semelhante.

É com base nestes princípios, e na herança enriquecedora do seu imenso património literário e artístico, que um grupo de amigos do Padre Correia da Cunha se quer constituir em Comissão para lhe prestar uma merecida homenagem no ano em que se comemoram 100 anos do seu nascimento. Àqueles que acolheram, de modo grato, generoso e dedicado, esta ideia, estou certo que o fizeram atendendo à inolvidável memória que todos temos desta inesquecível figura do clero de Lisboa. É propósito de todos que ela continue a iluminar as novas gerações.  

A Comissão, a constituir para o efeito, apresentará um programa de um ciclo comemorativo, onde constarão várias cerimónias, alguns actos cívicos e um conjunto de homenagens que darão o tom do nosso respeito e gratidão por uma figura que tanto fez em prol da sua Comunidade de São Vicente de Fora.

O seu carácter de fina tempera a sua inexcedível veneração a Jesus Cristo, a sua personalidade como poeta e a sua alma de verdadeiro marinheiro explicam a razão de ser de uma homenagem em memória do Padre José Correia da Cunha.




A mãe natureza foi grata para com o Padre Correia da Cunha, pois nele foram acumulados faculdades e dons, tão variados e tão raros, que bastavam para enriquecer todos os que tiveram o privilégio de com ele conviver. Era um homem que pelo seu exemplo animava, pela sua energia de palavra dava coragem…em todas as organizações a que esteve ligado.

Estamos convictos que poderemos contar com o apoio incondicional do Patriarcado de Lisboa, do Ministério da Defesa, da Câmara Municipal de Lisboa, da Junta de Freguesia de São Vicente, dos Lions Clube Lisboa Mater e da Fundação Calouste Gulbenkian, entre outras onde o Padre Correia da Cunha serviu.

A sua amada Cidade, assim como as organizações com as quais colaborou, com certeza, reconhecem o muito que o Padre Correia da Cunha fez em prol da juventude da Armada, Exército e da Paróquia de São Vicente de Fora. 


O padre Correia da Cunha para além de zeloso pároco de São Vicente de Fora - acolhia e dispensava um especial afecto ao fluxo de milhares de mulheres e homens que se deslocavam da Beira Serra à procura de um trabalho digno e de melhores condições de vida na cidade. O carinho com que cultivava amizades entre as gentes da Beira Serra mereceu por parte dessa gente um enorme respeito. Particular atenção lhe merecia a formação dos filhos dessa gente. Era o principal impulsionador na realização de encontros de regionalismo das comarcas de Arganil, Pampilhosa da Serra, Góis, Oliveira do Hospital… no Mosteiro de São Vicente de Fora.

Não só estas instituições, como todos os seus amigos, podem agora deixar em pedra de arte um tributo em memória deste capelão na área da freguesia de São Vicente. Contamos com os vossos contributos.


FELIZ ANO 2017






















.

Sem comentários:

Enviar um comentário