segunda-feira, 9 de outubro de 2017

PE. CORREIA DA CUNHA - PREPARAÇÃO PARA O CASAMENTO VII














«… A VIDA MATRIMONIAL É UM 

AUTENTICO SACRIFÍCIO.»




Terminadas as comemorações do centenário do nascimento do Padre Correia da Cunha, que decorreram, com a maior elevação e dignidade, no passado dia 24 de Setembro, retomamos a transcrição do Curso de Preparação para o Matrimónio da sua autoria.

Consciente de que o matrimónio e a família constituíam um dos bens mais preciosos da humanidade, o padre Correia da Cunha dirigia estas notáveis lições aos jovens que encetavam este caminho de preparação para o sacramento do matrimónio, tendo em vista ajudá-los à construção de uma autêntica e verdadeira família cristã. Procurava abri-lhes novos horizontes, ajudando-os a descobrirem a beleza e a grandeza da vocação dos jovens ao amor e ao serviço da vida. Revelava-lhes contudo que essa sadia opção também implicava muitos sacrifícios e partilha de duras responsabilidades.

A felicidade só se alcança numa família que viva em harmoniosa comunhão de vida e no respeito pela doutrina fundada sobre a lei natural, iluminada e enriquecida pela revelação e providência Divina.

A lei natural enuncia os deveres conjugais mais relevantes, assim como vincula reciprocamente os cônjuges a novos comportamentos assumidos com plena responsabilidade da vida familiar que livremente desejam fundar.





Texto Padre Correia da Cunha



Nunca será demais insistir numa verdade que, apesar de ser evidente como a luz do sol, é muito esquecida e até ignorada da maior parte dos noivos e dos cônjuges: - é que a vida matrimonial é um autêntico sacrifício, dando-se a esta palavra sacrifício toda a sua amplitude.

Regra geral, os namorados e os noivos só pensam nas alegrias que o casamento lhes pode trazer e nem sequer lhes passam pela cabeça as responsabilidades e encargos, numa palavra a Cruz que o casamento lhes põe aos ombros.

Muitos consideram o casamento como uma solução legal do problema sexual; outros, como um meio de fugirem ao ambiente da família em que foram criados; outros, mais sentimentais, consideram-no como exigência que todo o coração tem de encontrar uma amizade e apoio moral.

Em qualquer dos casos não vêem o aspecto sacrificial que lhe é próprio.

Passada a lua-de-mel, e, às vezes até, mesmo durante ela, a Cruz aparece com toda a sua grandeza e peso…


Para o homem: a responsabilidade de trabalhar mais para mais ganhar, pois tem de prover as necessidades de um lar com tudo o que o constitui: mulher, filhos e casa; a prisão a que se vê sujeito, não podendo entregar-se a prazeres e devaneios (ainda que lícitos) em virtude das responsabilidades conjugais e familiares, etc.


Para a mulher: geralmente, a desilusão e consequente tristeza perante a brutalidade das relações conjugais que ela punha num plano sentimental mais elevado. Sente-se, tantas vezes, considerada só uma fêmea com obrigações de governante, lavadeira, cozinheira e criadora dos filhos, sem alegria de uma comunhão espiritual dos carinhos e da amizade a que tinha direito.


- a perda da liberdade de que gozava em solteira

- os trabalhos e responsabilidades do lar, etc.




Para ambos igualmente, às vezes, alem de tudo isto a incompreensão e o desentendimento…


- e as ralações, os trabalhos, que a vida oferece até sob o ponto de vista económico…

É tudo sacrifício. E se não há uma grandeza de alma, bem formada e apoiada na Graça de Deus… como é fácil a tentação de alijar a carga ao mar!...

E o problema dos filhos? Ficou propositadamente para ser tratado à parte. É que todos os outros problemas da vida conjugal se resolvem com estes remédios: 1º Graça de Deus procurada e merecida; 2º boa vontade, pronta a todos os sacrifícios; 3º amor fundado em Deus e alimentado por uma grande amizade que une a ambos numa profunda comunhão de ideias, de sentimentos e de interesses espirituais, morais e económicos.

Para o problema dos filhos é necessário, além dos remédios apontados, o conhecimento de certas leis fisiológicas e morais quanto ao seu nascimento e de certas normas educativas quanto à sua formação. Não nos esqueçamos nunca de que ser pai e ser mãe, não é só fazer filhos, é acima de tudo, formar homens e cristãos!

Mas vamos à primeira parte deste problema tão sério, isto é, procuremos conhecer os aspectos morais e fisiológicos do nascimento dos filhos.


II– A primeira verdade, a mais importante, a procriação: gerar novos seres. Já está dito e redito, é escusado insistir neste ponto, basta só lembrá-lo.

Embora a vida conjugal traga aos cônjuges prazeres especiais, estes só são estímulos e uma compensação para as responsabilidades da paternidade. Não é lícito, portanto, só procurar o prazer pelo prazer, sem querer aceitar as suas honrosas consequências naturais, Quem só quer prazer e nada mais, terá o castigo certo do seu pecado.

Quem assim procede transforma o lar numa casa de prostituição privada, despreza a honra de ser pai ou mãe, afronta o instinto de paternidade, especialmente da mulher, mas também do homem, acarreta graves perturbações quer sob o ponto de vista moral quer sob o aspecto fisiológico, e finalmente arrisca a felicidade do lar.

Não há ninguém, desde o sacerdote ao médico, que não esteja de acordo com o que fica exposto. Todos, crentes e ateus, que estudam estes problemas são unânimes em dizer que o crime de não querer ter filhos é vingado pela natureza.


E a Igreja considera nulo, inválido, todo o casamento que seja realizado com essa maldita condição.

II - Segunda verdade (esta especialmente para os cristãos) embora o seja também para todo homem que acredita num Deus que tudo governa e dirige): - Há uma Providência Divina que veste os lírios do campo e sustenta as aves do céu.


Por outras palavras, Deus não dorme, e, desde que as pessoas humanas por Ele criadas cumpram os seus deveres guiando-se pelas leis que Ele estabeleceu e pela luz de uma recta e bem formada razão, esse Deus obrigatoriamente cuida e trata amorosamente de todos os que aparecem neste vale de lágrimas. O que é preciso, repito, é cumprir as suas leis e guiar-se pela razão bem formada e recta.

Creio que as condições que dão direito à protecção da Divina Providência estão bem clara, mas não será demais explica-las um pouco em assunto tão importante.





A) – Cumprir as leis Divinas, isto obriga os cônjuges a praticarem na sua vida toda e especialmente nas suas relações sexuais as leis da natureza criadas por Deus e os preceitos Divinos da Religião. Querer ter direitos aos favores de Deus sem cumprir os deveres poe Ele impostos é absurdo e estupidez.


B) Guiar-se pela razão bem formada e recta, quer dizer que o homem não é como um bicho qualquer. Não pode obedecer cegamente aos instintos do animal. Neste ponto é impossível ao homem fazer o que faz o animal, pois embora o animal embora o animal sinta a a força dos instintos tem também o instinto bastante para saber limitar-se segundo a conveniência da sua espécie e da sua vida. Os homens, pelo contrario, sentem os instintos mas não têm o instinto de os limitar, tem uma faculdade mais nobre e importante que se chama razão. Esta, porém, tem de formar-se pela educação e pela instrução. Ninguém nasce ensinado. Todo o animal nasce já o que há-de ser; só o homem tem de fazer-se para chegar a ser o que deve! Isto exige de cada um de nós um trabalho constante de educação e de instrução; temos de desenvolver em nós qualidades morais e cívicas, e temos de adquirir os conhecimentos necessários para bem vivermos (em todos os sentidos) e para nos multiplicarmos segundo a espécie. 


C) Satisfeitas estas condições, todo o homem pode e deve confiar na Providência Divina, tendo a certeza da verdade que assiste ao rifão popular: - Deus dá o frio conforme a roupa!


III – Postas estas duas grandes verdades, vem agora terceira que se formula negativamente:


Nunca é permitido aos cônjuges fazerem seja o que for contra as leis Sagradas da natureza, leis essas que Deus estabeleceu sabiamente!

Levados quer pelo egoísmo nojento de só quererem os prazeres do matrimónio, ou pelas dificuldades (quantas vezes fingidas) de saúde ou de meios económicos, muitos casais há que usam nas relações sexuais processos criminosos e degradantes que os prostituem e profanam a santidade desses actos que Deus quer que sejam actos de colaboração na sua acção criadora! Malditos serão de Deus e dos homens todos aqueles que assim procedem roubando à Pátria cidadãos e ao céu, santos.

Geralmente, podem catalogar-se em duas classes esses crimes:


- Crimes de onanismo

- Crimes de aborto

Onanismo é todo o acto sexual que não se realiza segundo as leis naturais para impedir a concepção. Quer seja por meios de processos artificiais, como preservativos, por exemplo, quer não (derramando fora o sémen etc), o onanismo é sempre um crime porque contraria a finalidade de um acto, desrespeita a lei Divina e natural, profana as relações sexuais e prostitui a mulher e até o homem.


O aborto ou qualquer prática abortiva é sempre um assassínio. É matar uma vida humana, quer seja no primeiro dia de gravidez quer no último, pouco importa, o crime é o mesmo.
















.

Sem comentários:

Enviar um comentário